Como é ter uma franquia? Franqueados respondem
Buscando Franquias?

Encontre aqui sua franquia

«
Escolha pelo menos um opção para sua busca
Como é ter uma franquia, de verdade?

Como é ter uma franquia, de verdade?

04/04/2022

As franquias são investimentos promissores e seguros para quem deseja ter o próprio negócio.

É o sonho de muitos cidadãos brasileiros, mas como é ter uma franquia, de verdade?

Devido à segurança trazida por essa modalidade de empreendimento já que ele é ligado a uma marca consolidada, tem todo o respaldo dos franqueadores e oferece diferentes patamares de investimento.

Além disso, ter uma franquia pode ser acessível aos mais diversificados perfis de empreendedores, pois há vários patamares de investimento inicial.

E, mesmo em um período de crise e pandemia mundial como o que foi vivido nos dois últimos anos, o setor se provou forte e resiliente, conforme dados recentes da Associação Brasileira de Franchising (ABF).

Em 2021, de acordo com o estudo “Ranking das 50 maiores Franquias do Brasil”, houve maior consolidação das redes em 2021.

O levantamento mostra que o número mínimo de unidades das Top 50 aumentou 29% na comparação entre 2020 e 2021, passando de 315 para 406 operações.

O dado é interessante levando em conta que 2021 foi um ano ainda muito impactado pela pandemia. Esse aumento havia sido de 5% no período anterior (2019 para 2020).

Quem deseja abrir uma franquia deve tomar alguns cuidados no início do processo como, por exemplo, se preparar fazendo uma reserva financeira para ter uma proteção enquanto os resultados ainda não se consolidam.

Deve avaliar com muito cuidado o seu ponto comercial e até mesmo entender se o modelo de negócio escolhido permite ser gerido em outros formatos.

Isso é importante no contexto atual porque, de acordo com o estudo “Ranking das 50 maiores Franquias do Brasil” houve algumas mudanças no panorama do setor neste quesito: enquanto as operações em loja tradicional caíram de 90% para 82% em participação nas redes, outros formatos (como home based, unidades móveis e quiosques) cresceram de 10% para 18%, apontando a adaptabilidade do setor ao contexto atual.

Para saber como é ter uma franquia de verdade é importante o investidor fazer suas pesquisas, conversar com quem já vive o dia a dia de um negócio próprio e buscar aperfeiçoamento constante.

Para Marco Antonio Pires dos Santos, franqueado da Bidon, em Macaé (RJ), ter uma franquia “é você acreditar no negócio que está investindo, acreditar que pode vencer”.

O empreendedor diz que foi necessário pensar assim porque teve um início ousado como empreendedor e teve que correr um risco.

Venho de uma formação de Engenharia e Pós Graduado em Engenharia.

Depois de ter trabalhado no ramo por quase 15 anos, resolvi deixar tudo para ter o meu próprio negócio, conta ele, que acredita ter tido facilidade com as regras da marca e com a franquia graças ao apoio dado pela equipe da franqueadora tanto no início e até hoje.

O dia a dia de atividades em uma franquia é de muito trabalho, buscando clientes, realizando visitas, divulgando e principalmente, fechando negócios, mas muito gostoso de se fazer.

Devido a todo esse apoio que é dado pela franquia, senti segurança e hoje estou firme na franquia que montei há 4 anos”, comenta Santos.

Ao analisar os desafios de como é ter uma franquia de verdade, Marcelo Grinsztajn, franqueado da Cachorreiros, compara seu atual ofício a uma performance teatral em um palco de um grande teatro.

“Digo teatro e não cinema, porque é tudo ao vivo e a cada dia é diferente.

Em uma peça, os atores diariamente realizam um desempenho ligeiramente diferente, já que são seres humanos, porém, no cinema será sempre a mesma atuação”, explica ele.

Segundo Grinsztajn, é como se o franqueado estivesse em um palco com tudo muito bem ensaiado antes, comparando esse “ensaio” ao suporte que a franqueadora fornece, mas a atuação é feita por seres humanos com todas as suas variáveis.

“Temos que ir para o espetáculo fazer tudo que ensaiamos e aprendemos, mas sabemos que não estamos sozinho nesse palco.

Temos todo um suporte por trás da cortina (o franqueador) que nos auxilia em termos de consultoria, dúvidas, mídia e apoio a marca”, exemplifica ele.

Nunca tinha sido empreendedor, apenas atuava como empregado. No entanto, é claro que eu acreditava muito no apoio da franqueadora, que é essencial, pois enxergava-os como mentores, que conhecem profundamente o varejo e que me ajudariam a ter um resultado melhor”, conta ele.

 

Risco menor

Iniciar a vida de empreendedor em um negócio já testado e conhecido, como é o caso das franquias, ameniza o risco que um novo negócio traz consigo.

Essa é a opinião Fernando Donato, de Ubá (MG), e Rui Roselino, de Jardinópolis (SP), ambos franqueados da Clube Turismo.

Atuando no sistema Home Office, Fernando Donato está no negócio desde setembro de 2018 e conta que atuar com franquia permitiria a ele contar com todo o apoio de uma empresa já estruturada.

“As regras e normas exigidas pela marca aos poucos são incorporadas na execução do trabalho e vamos percebendo que a padronização dos processos, das redes sociais e dos produtos, visa entregar um serviço único e de qualidade, independentemente de qual franqueado o esteja oferecendo”, afirma ele.

Por trás dos bastidores, a franqueadora sempre atua dando todo o suporte necessário, seja com relação à parte operacional, financeira, jurídica, de marketing e sobretudo com relação à capacitação dos franqueados, com cursos e treinamentos diários que visam aumentar o conhecimento de todos”, completa Donato, que nunca havia trabalhado com turismo, mas por sempre gostar de viajar, queria empreender em algo do setor.

Além de toda a estrutura e suporte mencionada acima que uma franqueadora como a Clube Turismo oferece, Rui Roselino, que está na rede desde setembro de 2012 e tem uma loja, destaca que é preciso conhecer o perfil do investidor para saber se ele está adequado ao modelo escolhido.

Para isso, podemos muitas vezes participar de uma avaliação da franqueadora sobre nossas habilidades e capacidade financeira e, antes de tudo, o candidato deverá ter acesso às diversas informações do modelo de franquia que busca”, aconselha ele.

Mesmo com todo suporte oferecido pelas franqueadas, Rui Roselino lembra que é necessária muita dedicação e que a rotina de um franqueado que está no dia a dia do seu negócio é muito movimentada.

As rotinas de um franqueado são as mais diversas, desde avaliar as tendências que o mercado impõe, manter contato com os diferentes setores da Franqueadora, acompanhar a evolução do mercado e acima de tudo, ser participativo, quando possível, nas decisões.

Ter uma franquia é dedicação total, associado com troca constante de experiências e ter um suporte total da rede”, salienta ele.

A realização do sonho de ser empreendedora só foi possível para Karina Gonçalo Pereira, franqueada da Le Briju , de São Caetano do Sul (SP), com o apoio da franquia. A empreendedora comenta como é ter uma franquia, de verdade.

Segundo ela, o conhecimento e apoio da empresa franqueadora realmente fazem toda a diferença no início do projeto.

Todo esse apoio é fundamental para que tenhamos um direcionamento, errando o mínimo possível.

E é justamente esse know-how que adquirimos quando compramos uma franquia. Se não fosse assim, se ficássemos livres para agir, ficaríamos perdidos e não saberíamos como gerir o negócio.

Eu me sentiria perdida, se fosse diferente”, acredita ela.

“Os bastidores e o dia a dia estão sendo um aprendizado muito bom, porque além da parte administrativa também tem a parte de relacionamento com as vendedoras e clientes”, destaca ela.

Até chegar a essa realização, o empreendedor Marcelo Soares Gregório, franqueado da IP School, em São Paulo (SP), destaca que é necessário muita dedicação e esforço.

Todo início é trabalhoso, gera muitas dúvidas e ansiedade. A minha unidade franqueada, no bairro do Tatuapé, na capital paulista, foi a segunda da rede IP School.

Então, nós fomos aprendendo junto com a franqueadora, o que nos enche de orgulho por construir uma história.

O importante em uma franquia é ter o apoio e a proximidade com a franqueadora, principalmente no início”, comemora ele, ao contar como é ter uma franquia, de verdade.

Ele acredita que a  estrutura da franqueadora facilita muito para o franqueado.

As políticas, regras e funcionalidades oferecidas são de fundamental importância para nos sentirmos seguros.

Ter uma franquia é um desafio diário, é andar com as próprias pernas, mas sabendo que existe uma estrutura por trás para nos ajudar. O sucesso da marca reflete no sucesso de todos”, conclui.

 

Confira outros depoimentos – Como é ter uma franquia, de verdade:

“Após fazer um pré-cadastro e ter um retorno imediato e eficiente, senti muita confiança no que eles me falavam.

A gente sente um apoio, que tem uma base, um norte, que sabe pra onde ir, como caminhar.

Orientações não faltam.

Sempre que surge uma dúvida, tenho uma consultoria pronta pra me ajudar nas áreas técnica, contábil e jurídica.

Hoje minha experiência está sendo uma loucura por um ótimo motivo e assim posso dizer como é ter uma franquia, de verdade: a quantidade de demanda e atendimentos que minha unidade está tendo.

Acabei de inaugurar a segunda unidade, em outro estado inclusive, então estou na condição de viajar uma vez por semana, visitando clientes de outras cidades.

Isso é muito gratificante e coroa nosso propósito de vida, de ajudar as pessoas, facilitar a vida delas por meio dos nossos serviços.”

(Fabio Panosso, franqueado da Maria Brasileira, em Frederico Westfalen – RS)

 

“Se você quer andar rápido vá sozinho, mas se você quer ir longe vá acompanhado.

O segredo de um grande sucesso está em saber fazer parcerias duradouras.

A franquia traz uma segurança muito grande a todos que desejam iniciar um negócio próprio, justamente por transferir um grande know-how, o que fica muito mais fácil para tracionar o negócio e não gastar energia em coisas que sem todo o material e apoio da franqueadora não seria possível”.
(Felipe M. Carreiro, franqueado da Gigatron em Botucatu – SP)

 

“No início é importante estar bem perto dos administradores, ouvir e colocar em prática as orientações.

O relacionamento constante e o contato são a chave principal para fazer a franquia decolar mais rápido.

É muito instigante e motivador ver a engrenagem funcionando na unidade, desde o treinamento inicial até a primeira venda realizada.

Saber que você tem uma equipe a postos para te ajudar é fundamental.

Digo como é ter uma franquia, de verdade: a grande sacada é não hesitar em contar com a estrutura de suporte, sempre.

Agir por conta própria quando não se tem experiência é desperdiçar um know-how importantíssimo, capaz de adiantar sua unidade no processo.”

(Paula Roberta, franqueada Monitorias Reforço Escolar em Mogi das Cruzes – SP)

 

“Conheci a franquia por meio de um anúncio no Instagram e no departamento comercial da empresa deram todos os detalhes sobre a franquia, os sócios e a trajetória deles, possibilidades de negócio, possibilidades de crescimento e fui muito bem recebida em todas as fases do processo.

Antes de ‘bater o martelo’, tive questionamentos se conseguiria fazer sozinho, mas ter o negócio todo estruturado em fases, com treinamentos, direcionamentos e acolhimento é bem melhor.

Ter uma franquia significa ter uma família, mas com muito trabalho a ser feito.

Precisamos ouvir nossos clientes e entender quais são as dificuldades e apresentar soluções para resolvê-las.”
(Elbert Cantão, franqueado da Monitorias Reforço Escolar em Rio Verde – GO). 

 

“É ter uma equipe de especialistas empenhados em fazer o seu negócio dar certo.

A franqueadora está ali, no dia a dia, apoiando, ensinando, direcionando e corrigindo.

Desde o primeiro contato, a segurança de estar seguindo os passos de alguém que já vivenciou aquela experiência, que já errou antes e sabe qual o passo a passo para fazer dar certo, e que tem toda uma estrutura organizada foram essenciais para a escolha de investir em uma franquia.”
(Emily, franqueada da Detroit American Steakhouse em Boa Vista -RO).

 

“Ser franquia é vestir uma bandeira, temos uma marca a zelar!

É organização, padrão e principalmente surpreender nosso cliente.

Jamais investiria o que investi para abrir o Detroit se não tivesse o suporte e apoio da franquia, tão pouco abriria um restaurante.

O negócio como um todo é um desafio, mas temos inúmeros “erros” ou “experiências” que já nos colocam um passo à frente.

Não sei se segurança é a palavra pro meu caso, mas me senti sempre muito à vontade, sempre fui muito claro com a franquia e pelo tempo que estamos operando acredito que temos evoluído a cada dia.”
(Marciel, franqueado da Detroit American Steakhouse, também em Boa Vista (RO).

 

“Com a franquia, até quem não tem experiência empreendedora conseguirá aprender e tocar o negócio porque a franqueadora disponibiliza o know-how e os especialistas para apoiar o franqueado.

Digo como é ter uma franquia, de verdade: o franqueado precisa fazer a parte dele, mas implantar um modelo já validado, com padrões, modelos e estratégias já testadas, e orientação de consultores e especialistas experientes, torna tudo mais fluido e pavimentado.

É importante entender que ter uma franquia é como participar de um clube.

Existem padrões, estratégias e regras que devem ser trabalhados por todos os franqueados.

O sucesso de um membro do ‘clube’ estimula o sucesso dos franqueados e todos juntos são capazes de impulsionar o seu sucesso individual e da rede ao mesmo tempo.

Por isso, é diferente de abrir um negócio de marca própria.”
(Tarcísio, franqueado da Detroit American Steakhouse em Brasília).

 

“O know-how oferecido pela franqueadora, foi essencial na hora da decisão.

Renata Makiyama, (minha sócia) e eu viemos de outra área da farmácia e, como iniciantes na manipulação, foi muito importante ter o suporte total do início das tratativas até a abertura da unidade.

Desde então, temos uma rede de profissionais da área de marketing, técnica, entre outros, a nosso dispor sem custo extra.

Isso só eleva nossa credibilidade no mercado, proporciona o fortalecimento da marca.

Em uma frase, posso definir que a influência desse embasamento é o que nos permite ter confiança e saber que estamos fazendo tudo de maneira correta.”
(Thais Setoguchi, franqueada UpVet em Curitiba- PR há cinco anos).

 

“O contato com a franqueadora e com franqueados já existentes, sem dúvidas, me ajudou a me familiarizar com a atividade em curso.

As exigências da marca, bem como o negócio em si, o produto e, no caso de serviços, o know-how, são processos extremamentes fundamentais para que tudo saia com a qualidade necessária e atenda o cliente da melhor forma possível.

O modelo de franquias me deu uma certa tranquilidade por já existir padrões, estrutura e regras a serem seguidos e, se eu tivesse que resumir esse processo em uma frase, seria: ‘seguir os trilhos do negócio é estar atento(a) às dinâmicas do dia a dia.”
(Camila Torres, franqueada de 6 unidades da Minds).

 

“Franquia é organização, é colocar a mão na massa.

Se me perguntarem como é ter uma franquia, de verdade, posso dizer que é uma satisfação que vai além do valor financeiro, e que envolve o valor humano.

Quando pensamos em empreender, temos muitas dúvidas para qual caminho seguir, sobre quais estratégias aplicar.

O segmento de franquia nos faz pular essa etapa preocupante e até mesmo desgastante, com as orientações da franqueadora logo no início do empreendimento.

Com esse suporte, conseguimos ser assertivos nos principais processos, mas existem desafios como o de se adaptar à mudança de cultura, comportamento, seguir as regras e ter confiança no negócio.

Mas posso dizer que, nesses 8 anos de experiência como franqueado, tenho certeza que o melhor caminho a seguir é o da franquia, caminho mais curto, menos riscos e mais assertividades.

Nos bastidores, existe uma parceria muito saudável, ambiente agradável e união.

Às vezes temos tempo difíceis, mas sempre conseguimos manter o equilíbrio e a parceria.”
(Marcos Gonçalves, franqueado do Cebrac em Campo Mourão-PR, Umuarama-PR e Patos de MinasMG).

 

“ ‘Siga o que a franqueadora orienta’ – Essa é a frase mais verdadeira, pois a franqueadora já testou inúmeras vezes os processos e, se você segui-los fielmente, muito provavelmente os resultados vão aparecer.

Hoje, tenho muita gratidão e respeito, pois trabalho com profissionais que estão engajados na busca do sucesso.

O começo de todo empreendimento é sempre desafiador.

Lidamos com situações desconhecidas, como de recursos humanos, o financeiro, a gestão do tempo e das matérias-primas, entre outros tantos desafios.

Para a inauguração da nossa unidade Griletto, passamos por muitos treinamentos, contamos com uma equipe de apoio para o início da operação, tivemos um canal totalmente aberto com toda a gerência para sanar as dúvidas.

Esse elo entre franqueado e franqueadora permanece mesmo após 10 anos de operação. Percebo o interesse da holding em conhecer e resolver as questões que enfrentamos no dia a dia.”
Mauro Luiz de Campos Cardoso, franqueado Griletto – rede de franquias da Halipar no São Bernardo Plaza Shopping (São Bernardo do Campo – SP).

 

“Como é ter uma franquia, de verdade: ter uma franquia é sinônimo de segurança de investimento e clareza de processos. Buscamos diariamente o desenvolvimento, troca de experiências, idéias e apoio.

Podemos compartilhar nossos fardos com a equipe e buscar forças no time para superar.

Sempre fomos trabalhadores de carteira assinada.

Nunca havíamos empreendido.

Contávamos para nós mesmos a história de que tudo que conquistamos até ali era suficiente.

Que algo diferente disso não seria interessante, ou então que não teríamos capacidade de conquistar.

Quando surgiu a oportunidade de ser um franqueado Hey Peppers!, resolvemos mesmo sem saber exatamente os motivos, dar uma chance.

Após a primeira ligação, caímos de cabeça no franchising.

Pesquisamos sobre tudo.

Lemos depoimentos. Cases de sucesso e também, cases de fracasso.

Falamos com amigos, com a família até a tomada final de decisão. Compramos segurança, pagamos por certeza.

Ninguém quer investir seu dinheiro, suado, lutado, em algo que pode fechar no próximo ano ou na próxima crise.

E isso, hoje, acredito que possamos afirmar com fundamento, pois já podemos sentir estando nos dois lados do balcão.

Nossos clientes e alunos demonstram isso.

Da mesma forma que quando nós tivemos que decidir pelo nosso negócio, sentimos o mesmo.

Antes de estar do ‘lado de cá’ do negócio não enxergamos a totalidade da estrutura que estaria nos apoiando.

A dedicação diária de um time que vive uma cultura de superação e de entrega constante sem medir esforços.

Tivemos a coragem de dar o primeiro passo, mas não acredito que conseguiríamos sem ter o apoio e toda uma estrutura que a rede ofereceu.

Evitamos desperdícios enormes de dinheiro e tempo em esforços que não trariam resultados.

E esses só são conhecidos porque antes de nós, já foram testados pelo franqueador.”
(Guilherme Datsch, franqueado da Hey Peppers!).

 

“Ter uma franquia é contar com a troca de conhecimento constante entre a rede franqueadora e franqueados para ampliar o potencial de negócios da marca, e assim gerar vantagens competitivas para a marca e seus franqueados.

Antes de entrar para a Ecoville trabalhávamos com produtos de limpeza há 15 anos, mas não tínhamos o know how necessário para sermos uma marca reconhecida como especialista em limpeza no Brasil inteiro.

Com a franquia ganhamos esse know how e hoje tenho três lojas da rede.

O crescimento exponencial veio depois da mudança de negócio próprio para a franquia.

Fiz em cinco o que não havia feito em 15.

Com certeza é muito mais fácil crescer quando você conta com 260 lojas no mesmo formato e tem o lado positivo de se espelhar e alguém com expertise, a franqueadora, para te apoiar.”
(Cheyla Felet, franqueada Ecoville Brasil, Avaré-SP).

 

“Ter uma franquia é satisfatório e principalmente é um sonho realizado.

Como somos os primeiros franqueados da rede, muita conquista, crescimento, erros e acertos, foram sempre muito compartilhados com a franqueadora.

Temos um respaldo muito grande e satisfatório com a franqueadora e toda sua equipe.

As regras são estabelecidas e cabe ao franqueado executar da melhor forma possível.

Os franqueados sempre serão o espelho, sempre serão o fundador da marca, naquela cidade ou naquele bairro onde irá abrir.

Gosto sempre de falar que o comprometimento do franqueado também precisa existir. Somos uma rede, crescemos juntos, esse é o foco”.
(Adenise Moia Bressanin e Cláudio Cesar Bressanin, franqueados Carol Coxinhas  – Poços de Caldas-MG).

 

“Quando quis ter uma lavanderia autônoma, me senti seguro por ser franquia, por todo o conhecimento da marca.

Eu me senti muito mais seguro e acho que acertei, para quem tem dúvida eu apoio ter a franquia.

Tudo foi tratado com clareza, há problemas no início como todo negócio, mas tudo superável.

Franquia é certeza de sucesso.

Os bastidores são tranquilos, tenho contato com os CEOs da marca, o marketing atende sempre e os fornecedores homologados estão sempre de prontidão.

A minha experiência é muito boa.

Ter uma franquia, você faz o seu tempo.

Mas é sempre bom estar perto do negócio e ter contato com os clientes”
(Cauê Benicio, 43 anos, franqueado da Lavô, unidade Paraty-RJ).

 

“Comecei a jornada como franqueada há cinco anos depois de conhecer o negócio de um amigo que já estava na rede. Virei sócia desse amigo e um terceiro empreendedor em sua primeira loja.

Começar ao lado de quem já conhecia o negócio deu a segurança que eu precisava. Algum tempo depois assumi sozinha a operação da loja.

Em plena pandemia, em 2021, decidi investir na segunda unidade, aproveitando uma oportunidade de repasse.

Nessa segunda fase senti, com ainda mais clareza, a importância de investir numa marca já estruturada.

A equipe é muito eficiente e me auxiliou tanto na parte prática quanto na parte emocional, afinal de contas, era uma época extremamente difícil e eu estava assumindo sozinha minha segunda operação.

A estrutura foi fundamental em todas as etapas, e certamente me deixou mais segura.

Para gerir bem você precisa conhecer seu negócio a fundo, saber e estar disposto a cumprir qualquer função dentro dele.

Eu vendo, opero a caixa, limpo a loja se necessário.

Faço qualquer coisa para que tudo funcione e eu possa manter a qualidade dos produtos e do atendimento aos meus clientes.”
(Suely Pessoa, franqueada Megamatte no Rio de Janeiro, com unidades na Rua dos Andradas e em Ipanema).

 


Agora que você viu como é ter uma franquia, com depoimentos de franqueados, confira também: