Buscando Franquias? Encontre aqui sua franquia «
Escolha pelo menos um opção para sua busca

ABF apóia seminário promovido pelo SEBRAE

03/08/2006

Grandes Compradores & Pequenos Investidores: a responsabilidade social promovendo o desenvolvimento. Este foi o tema que reuniu no último dia 02 de agosto, no Hotel Holiday Inn, em São Paulo, cerca de 200 empresários de diversas cidades.

O seminário foi organizado pelo SEBRAE, em parceria com a Associação Brasileira de Franchising (ABF), Associação Franquia Solidária (Afras), Instituto Ethos, Fundação Instituto de Desenvolvimento Empresarial e Social (Fides) e a Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje).

Foram debatidos temas como as compras governamentais, a relação entre grandes e pequenas empresas, gestão empresarial, melhorias da relação empresa e colaborador, área tributária e responsabilidade social.

O objetivo do evento foi identificar oportunidades de negócios entre as pequenas, médias e grandes empresas e traçar diretrizes para uma atuação empresarial socialmente responsável.

André Friedheim, diretor de Comunicação e Marketing da ABF, falou no discurso de abertura sobre a importância do evento para o setor de franchising. `O sistema de franchising agrega um grande número de compradores e fornecedores, principalmente das pequenas e médias empresas que formam uma rede de negócios. A questão da responsabilidade social, que permeia este evento, reflete diretamente na gestão dessas empresas`.

Representando a diretoria do SEBRAE nacional, o superintendente José Luiz Ricca, defendeu a aprovação imediata da Lei Geral das Micros e Pequenas Empresas como forma de tirar da informalidade milhões de empresas nesta situação. `Precisamos resgatar a dignidade dos pequenos negócios, muitas vezes, sem condições de fornecer para uma grande companhia por problemas de legalidade`.

Segundo a diretora do Departamento de Micros e Pequenas Empresas do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Cândida Cervieri essa lei viabilizará um novo cenário. `Hoje, há no Brasil mais de 10 milhões de empresas informais, a Lei Geral permitirá o acesso de todas elas  ao sistema produtivo do país`.

Participaram também do evento a diretora de Logística e Serviços Gerais do Ministério do Planejamento, Loreni Foresti, o diretor do Fides, Alberto Perazzo, o conselheiro da Aberje, Gilberto Galan, e o superintendente do SEBRAE em Manaus, José Carlos Reston.

O SEBRAE Nacional também foi representado pelas gerentes Raissa Rossiter, da Unidade de Acesso a Mercados e Miriam Zitz, da Unidade de Atendimento Coletivo – Indústria.

Responsabilidade Social empresarial

O presidente do Instituto Ethos, Ricardo Young, falou sobre responsabilidade social empresarial, como sendo o centro das estratégias e uma forma de gestão baseada nos princípios ético e solidário, tanto no que diz respeito ao meio ambiente como às questões sociais. `Se este conceito não se alocar aos negócios, o mundo terá muito mais problemas do que tem hoje`, afirmou.

Patrícia Sogayar, também do Instituto Ethos, apresentou o projeto Tear que tem como objetivo reunir grandes empresas e disseminar para seus fornecedores a responsabilidade social empresarial. `A empresa pode desenvolver projetos próprios, mobilizar suas competências para o fortalecimento da ação social e envolver seus funcionários e parceiros na execução e apoio a projetos sociais da comunidade`, explicou.

Cláudio Tieghi, diretor da Afras, braço social da ABF falou da Lei do Aprendiz, projeto que facilita o ingresso do jovem no mercado de trabalho, como meio de transformar a sua realidade pessoal e social `Quando se oferece oportunidade, também a recebemos, estimulamos as redes de franquia a incluírem a responsabilidade social na gestão do seu negócio`.
Os empresários presentes ao evento puderam conhecer os casos de sucesso da Petrobras, Yazigi e da Prefeitura de Manaus em projetos envolvendo pequenos fornecedores.

Oficina de capacitação de negócio

A segunda parte da programação foi dedicada às atividades em grupo, que trabalharam temas relacionados à interação comercial e socialmente responsável entre grandes e pequenas empresas.

Os grupos foram divididos em entidades públicas, governamentais, micro e pequenas empresas, todos acompanhados por técnicos do SEBRAE.  `O papel do SEBRAE é preparar tecnicamente o empresário para fechar negócio`, afirmou o técnico, Luiz Augusto de Castro Pacheco. A atividade foi uma simulação de abordagem no sistema de compradores e fornecedores, reproduzindo uma rodada de negócio.

NOTÍCIAS RELACIONADAS