Franquia de clínicas odontológicas cria novo modelo de negócio
Buscando Franquias?

Encontre aqui sua franquia

«
Escolha pelo menos um opção para sua busca
franquia de clínicas odontológicas

Franquia de clínicas odontológicas cria novo modelo de negócio e se expande na pandemia

02/05/2022

Modalidade Smart da franquia oferece investimento que cabe no bolso e ajudou faturamento a chegar em R$ 200 milhões em 2021

Mesmo com o duro golpe da pandemia para os profissionais de odontologia no país e no mundo, a REDEORTO, franquia de clínicas odontológicas, conseguiu driblar este grande impacto para profissionais ao oferecer um novo modelo de negócio.

A modalidade de franquia chamada Smart oferece ao dentista ou odontologista a possibilidade de fazer parte de uma franquia com um investimento que cabe no bolso.

Com, em média, R$ 30 mil e uma taxa de franquia de apenas R$ 3 mil, é possível converter seu consultório em uma franquia REDEORTO e começar a oferecer serviços ortodônticos e odontológicos.

No ano de 2021, a franquia vendeu 70 unidades no plano Smart.

Isso resultou em um faturamento total de R$ 200 milhões em 2021 – um aumento de 66% em relação ao ano anterior, que foi de R$ 120 milhões.

Criada por Rubens Vergani Júnior, formado em odontologia pela FORP – USP, com especialização em ortodontia e MBA em Administração, a franquia foi criada em 2006 e conta hoje com 200 unidades em 18 estados e no Distrito Federal.

A ideia surgiu pelo desejo de oferecer acesso aos tratamentos ortodônticos para a Classe C, ao oferecer preços acessíveis à população – em especial com a isenção do custo do aparelho em si, e com uma taxa reduzida no valor da manutenção mensal.

Valor que, na década de 1990, por exemplo, representava cerca de um salário mínimo.

“Fomos uma das primeiras clínicas brasileiras a atuar nesse modelo, atingindo pessoas que não tinham acesso à ortodontia, de forma que eles pudessem pagar e receber atendimento de qualidade”, diz o empresário Rubens Vergani Júnior.

Categoria lida bem com os perigos relacionados ao COVID-19

Um estudo realizado pelo Conselho Federal de Odontologia (CFO), que ouviu 40.269 cirurgiões-dentistas distribuídos por todo o território brasileiro, mostrou que 5% dos cirurgiões-dentistas já atenderam pacientes com diagnóstico confirmado de Covid-19 e 90% relataram temer contrair a doença no trabalho.

Mesmo assim, apenas 1% dessas pessoas relatou ter testado positivo para a doença.

Ou seja, os profissionais da categoria gerenciam bem os cuidados e procedimentos de atendimento.

De acordo com uma pesquisa realizada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) realizado em 2020, os profissionais da Odontologia estão entre os mais vulneráveis à contaminação por Covid-19.

Especificamente, a função de técnico em saúde bucal foi considerada a mais perigosa dentre todas as 2.500 profissões avaliadas no estudo.

A retomada

Dos cirurgiões-dentistas entrevistados pelo Conselho Federal de Odontologia (CFO), 82% afirmaram que já retornaram às atividades de atendimento.

E este número não para de aumentar, à medida que as vacinações avançam no país e o temor em relação à pandemia diminui.

Neste momento, muitos profissionais da área buscam a retomada financeira e reduzir os impactos que a pandemia causaram.

O novo modelo de negócios da REDEORTO, portanto, tem se mostrado uma saída interessante para muitos ortodontistas e dentistas.

“Quando pensei em franquia, eu queria um modelo que atendesse as necessidades de um consultório pequeno.

A REDEORTO conseguiu sanar minhas dúvidas e provou ser um bom investimento para o meu consultório”, comenta Dr. Dearley Corrêa Lima, franqueado de Santa Quitéria, no Maranhão.

Apesar dos últimos anos terem causado um grande impacto em muitos setores econômicos do país, chegando a reduzir o PIB do Brasil em 4,1% em 2020 – pior resultado em 24 anos, em 2021 o PIB voltou a crescer e a expectativa é que a economia se recupere no ano de 2022.

Fonte: Yeux Comunica

 


 

Já sabe como investir? Confira também outros artigos:

NOTÍCIAS RELACIONADAS