var lazyload = new LazyLoad({ elements_selector: ".lazy" }); }
Startup de permuta: conheça a história do fundador de apenas 22 anos
Buscando Franquias?

Encontre aqui sua franquia

«
Escolha pelo menos um opção para sua busca

Ele largou engenharia para fundar startup de permuta e hoje movimenta milhões no mercado


04/08/2021


franquia de permuta Kaz

O mercado de permuta iniciou na antiguidade, mas não existe nenhuma previsão para seu fim; pois este é um nicho atemporal, que ultrapassa gerações.

Isso foi o que motivou Matheus Albuquerque Durães a largar a faculdade de engenharia civil e fundar, aos 22 anos, a startup Kaz, que conecta empresários para fazerem negócios por meio de uma moderna plataforma online.

“Nós repaginamos o modelo de permuta, oferecendo um espaço alternativo para empresários negociarem pela internet, com praticidade e segurança.”, afirma Matheus, CEO da empresa.

A experiência de montar 2 lojas de artigos masculinos do zero e de liderar uma equipe de mais 1 mil pessoas na adolescência contribuiu para que ele tivesse a certeza de que o empresariado era a chave para alçar voos altos. 

Aos 22 anos, após ser convidado para compor o quadro societário de uma instituição de ensino, aproveitou para estruturar também a sua própria instituição, o Colégio Vitória. 

Nesta oportunidade, notou que já fazia permutas com empresários para as duas instituições de ensino citadas e sentiu necessidade de organizar essas trocas. Este foi o insight definitivo para criar o modelo de negócio do Kaz.

“Era uma grande brecha de mercado. A permuta sempre foi febre lá fora, por que seria diferente aqui no Brasil? Percebi que principalmente aqui no nosso país, investir em um negócio blindado à crise é uma prioridade da classe empresarial”, conta o CEO.

Logo no primeiro ano de empresa, o Kaz conquistou mais de 600 empresários aliados na cidade natal de Matheus, Montes Claros-MG, escolhida como MVP para o projeto. 

Como a ideia agradou em cheio os empresários locais, que buscavam alternativas para driblar a crise e aumentar seu fluxo de caixa, ele apostou todas as suas fichas e decidiu ingressar no franchising. 

“Entramos no franchising em janeiro de 2021 e, de lá para cá, a franquia Kaz obteve uma velocidade de crescimento impressionante, consolidando-se como a maior do ramo de permuta”, conta Matheus.

Pensando no mercado brasileiro, ele formatou a franquia Kaz para funcionar mesmo com um modelo enxuto (equipe de 4 a 5 funcionários), sem estoque ou muitos fornecedores e com estrutura facilitada. O franqueado consegue, inclusive, escolher se abre uma unidade padrão Kaz ou utiliza seu próprio espaço para construir sua franquia.

Mesmo com todos os desafios do empreendedorismo, hoje, aos 24 anos, Matheus é um dos mais jovens empreendedores de sucesso do franchising, movimentando mais de 20 milhões de reais em negócios. 

Da primeira empresa até hoje, não há nenhuma brecha para arrependimento.

“Enquanto existirem empresários querendo fazer trocas e vender mais, existirá espaço para lucrar com o Kaz; mas os franqueados que aproveitarem agora, serão pioneiros em suas cidades e certamente terão uma vantagem ainda maior”, reforça.

O objetivo da rede de franquias Kaz para 2021 é comercializar três novas unidades por mês, totalizando 25 unidades Kaz. O CEO da rede almeja alcançar a marca de R$500.000,00 em faturamento já neste primeiro ano da marca no franchising.

 

Sobre a franquia Kaz

Lançada no mercado em janeiro de 2021, o Kaz é uma franquia de permuta multilateral que, por meio de uma plataforma, conecta empresários para trocar produtos e serviços entre si. 

Por possibilitar as permutas, a franquia permite que o empresário preserve o fluxo de caixa da empresa, diminua a capacidade ociosa e aumente suas vendas. 

O investimento inicial é a partir de R$ 41 mil com retorno do investimento entre 9 a 12 meses, tendo um faturamento médio de R$ 60 mil por mês após o primeiro ano, com uma margem de lucro de 29 a 34% sobre o faturamento. 

A franquia – associada à ABF – oferece um modelo de negócio rentável principalmente para cidades com mais de 50 mil habitantes, o que garante a escalabilidade do modelo.