Sobre canários e sabiás

09/05/2013

Luciano Pires fala sobre maturidade no Portal do Franchising. Saiba mais…

Matéria reproduzida da revista Franquia & Negócios

Por Luciano Pires

Anos atrás comentei com um amigo sobre minha carreira como executivo e a intenção de um dia partir para voo solo. Esse amigo então me falou de canários e sabiás. Disse que o canário passa a vida numa gaiola segura, com comida e água em abundância, veterinário e todos os cuidados necessários para cumprir sua nobre função: ser bonito de ver e melhor ainda de ouvir. O canário canta e encanta. Onde existe um canário a vida é mais alegre. E eles são lindos, em vários tons de amarelo, branco, laranja…

Já os sabiás não servem para ser criados em gaiolas. Sabiás não são tão bonitos, as penas não são tão coloridas e seu canto não chega aos pés dos canários. Sabiás não são graciosos como os canários. E precisam lutar pela sobrevivência. Em compensação, sabiás voam, pousam nas árvores que querem e levam a vida em total liberdade.

Eu vivia a fase de canário e um dia partiria atrás da liberdade do sabiá. Achei o conceito muito apropriado. E com o tempo fui percebendo como é verdadeiro.

Os jovens – canários – têm energia, saco e curiosidade para suportar a gaiola, a rotina do dia-a-dia, a obrigação de cantar sempre. Para o jovem canário, cantar é o objetivo da vida. E, quanto mais alto e mais melodioso for o canto, mais valioso ele será. Não importa se numa gaiolinha, gaiolão ou viveiro, eu quero é cantar! Canto, portanto sou feliz.

Mas a maturidade traz outras prioridades. Cantar alto e melodioso deixa de ser objetivo para ser consequência. Sou feliz, portanto, canto.

A maturidade mostra que, por mais técnicos e hábeis que sejamos, cantamos melhor quando estamos felizes. E a felicidade só é plena quando existe liberdade. Liberdade de pensar, de realizar. Liberdade de ser você mesmo sem precisar seguir os roteiros e padrões da comédia corporativa.

Com a maturidade o tempo passa a ser valioso demais para ser desperdiçado com os rituais exigidos pelo mundo corporativo. Queremos resultados. Queremos voar. Ver o mundo de cima. Queremos prazer. Queremos crescer. Queremos ousar.

A segurança da gaiola, os alimentos fartos, os cuidados médicos passam a ter um custo altíssimo: a liberdade.

Pois bem. Depois de 26 anos trabalhando numa multinacional, abri a porta da gaiola para enfrentar o mundo lá fora. Meu voo solo. A primeira coisa que senti foi aquele frio no estômago, sabe? Mistura de ansiedade com medo. Felizmente minhas aventuras pela vida me ensinaram a transformar esse frio em energia para fazer acontecer.

Em seguida vieram outros canários (e até alguns sabiás meio castigados) dizendo: cuidado! Lá fora é perigoso demais!

Outros sabiás, experientes e grandes voadores, me acolhem alegremente. Mas todos disseram: não é fácil!

No entanto, não tive escolha. Meu destino era voar. Levei 26 anos para preparar o voo, aprendendo a navegar, a planejar, a surpreender, a observar, a criticar, a inspirar. Reforcei as asas. Fiz minha cabeça e um dia lancei-me no espaço. Inebriado com a liberdade, dei cabeçadas nos muros.
Trombei com outros pássaros. Passei fome e frio até aprender a encontrar comida e abrigo.

Mas quando eu estava em pleno vo o, lá no alto, olhando o horizonte e as copas das árvores com o vento no rosto e o calor do sol em minhas costas, lembro bem do que passou por minha cabeça:

–  Preciso contar pros canários!

Luciano Pires é jornalista, escritor, palestrante e cartunista.

[email protected]
www.lucianopires.com.br
Contato: 11 4195 6343

Avaliação