O Brasil evolui, e com ele, o franchising

10/05/2013

Que o franchising contribui de fato com o crescimento do País é um fato cada vez mais visível. Veja no Portal do Franchising

fev/2012

Os empresários de diferentes segmentos e de diferentes países estão cada vez mais utilizando o sistema de franquias para a expansão de seus negócios. No ranking internacional, em número de marcas franqueadas o Brasil ainda só perde para Coreia do Sul, Estados Unidos e China (de acordo com dados do WFC – World Franchising Council). O certo é que o formato de expansão em rede  é  o que dá condições para as empresas em todo o mundo se manterem competitivas.

Um negócio independente hoje tem poucas chances  de  manter  a competitividade  por falta de escala e de capilaridade para criar barreiras para  a concorrência. Se for uma rede de lojas próprias, franquias, rede licenciada ou autorizada, cooperativas com centrais de compras ou outros formatos, não importa… O que está em evidência é o quanto é possível ampliar a atuação dos negócios, em diversos mercados, em menor espaço de tempo, com menores custos e com um controle total, e nestes aspectos, dos modelos de expansão citados, o franchising é o que oferece maiores vantagens para as partes envolvidas: franqueado e franqueador.

É irrefutável a evolução das redes de negócios no Brasil basta entrar nos shopping centers e notar que mais  de 70% dos negócios fazem parte de uma rede, mas ainda falta a percepção de alguns setores – por exemplo, o mercado financeiro e o governo de que o sistema de franquias vai muito além da rede de hamburgueres , criados por Ray Kroc.

O franchising ressuscita marcas (temos vários exemplos no mercado que comprovam isso), gera valor ao negócio e à  marca, cria barreira para a concorrência, gera empregos diretos e indiretos, reduz a informalidade no País, gera mais impostos etc.. Podemos listar mais  algumas  dezenas  de  bons motivos para esse modelo de expansão receber mais incentivos de nosso governo, em especial para os micro e pequenos empresários que representam 90%  das empresas no Brasil.

Porém, independentemente­ de qualquer ação externa, o sistema cresce na casa de dois dígitos e muito acima do PIB.  Os empresários estão abraçando esse modelo, e aqueles que entram conscientes do seu papel de franqueador, comprometidos com a sustentabilidade do negócio formatado e com o desempenho do franqueado,  vão se sair muito bem.

Em abril, nos dias 24 e 25 acontecerá o 3° Forum Internacional de Gestão de Redes de Franquias e Negócios, onde serão apresentados cases nacionais e internacionais de redes de negócios e franquias de sucesso! É uma excelente oportunidade para líderes e demais profissionais desse imenso mercado ampliarem seus conhecimentos e agirem em prol das Melhores Práticas e Melhores Resultados, tema central do fórum.

*Claudia Bittencourt é diretora-geral do Grupo BITTENCOURT.

Avaliação