Buscando Franquias? Encontre aqui sua franquia «
Escolha pelo menos um opção para sua busca

A árdua busca pela realização do sonho de empreender com sucesso

19/03/2020

sonho de empreender

Angelo Lopes fez carreira militar, cursou direito e, até a realização do sonho de empreender, foi um longo e árduo caminho.

Começou a vida profissional servindo ao Exército Brasileiro, de 2003 a 2012.

Nesse período, também fazia faculdade e investia em ampliar seus horizontes, lendo livros voltados para o empreendedorismo.

Um dos títulos de uma extensa lista foi “Pai Rico Pai Pobre” de Robert Kiyosaki.

Em sua busca por conhecimento, Angelo começou a alimentar dentro de si a vontade de ser dono do próprio negócio, visando a tão sonhada independência financeira.

Sua primeira iniciativa empreendedora foi a abertura de uma loja de revelação digital, em 2005.

A seu ver, a inexperiência, o despreparo e o amadorismo foram decisivos para a curta vida do negócio.

A loja durou apenas três meses.

Já um pouco mais maduro, em 2009, fez sua segunda tentativa.

Numa Feira de Franquias no Rio de Janeiro, se interessou por uma marca de acessórios femininos.

Nesse momento, Angelo percebeu que precisava de pessoas experientes para orientá-lo.

Buscou ajuda do Sebrae-RJ para fazer o estudo da Circular de Oferta de Franquia (COF), da empresa.

Estudo feito, entrou em ação para conseguir capital para abertura do negócio.

Mas o sonho teve que ser adiado neste momento, por falta de recursos, que ultrapassavam muito as possibilidades financeiras dele.

Buscou ajuda de bancos, mas percebeu que, sem possuir um CNPJ, não conseguiria o capital necessário. Não como Pessoa Física.

Tomou então a decisão de juntar mais dinheiro e ir em busca de sócios para viabilizar seu sonho de ter uma franquia.

Em 2011, Angelo e dois amigos com o mesmo propósito, de ter um negócio próprio, visitaram uma Feira de Franquias juntos.

Conheceram diversos segmentos, pesquisaram muito, e no fim decidiram que a Rede Megamatte era a melhor opção para eles.

Um dos pontos determinantes para a escolha foi a percepção da excelente qualidade do corporativo da empresa, a essência familiar, a facilidade de comunicação com a diretoria, além da satisfação de outros franqueados.

Foram muitas as lutas até abertura da primeira loja, em março de 2012. Desde a escolha do local, a obra que durou três longos meses, até os imprevistos na negociação do ponto comercial. Não faltaram desafios.

“Hoje entendo que as dificuldades encontradas fizeram parte do meu crescimento como profissional e empreendedor. Sempre haverá problemas, mas tudo fica mais leve e mais fácil com uma franqueadora que enxerga o franqueado como um verdadeiro parceiro de negócios. E esse é o caso da Megamatte”, afirma Angelo.

A trajetória entre a primeira e a segunda loja foi de dois anos apenas. Em 2014, Angelo abriu sua segunda operação Megamatte.

O ano de 2015, quando o Brasil inteiro foi impactado pela crise econômica, trouxe uma reviravolta nos negócios de Angelo.

Em plena crise, ele e mais dois amigos investidores assumiram o repasse de uma operação da rede Bob’s.

A situação do país piorou além do previsto e, apenas um ano depois, ele fechou a loja.

Ele conta: “Hoje percebo que a tentativa de diversificar para uma operação que não eu não dominava, num momento tão conturbado, não foi uma boa opção. Acabei assumindo mais responsabilidades do que poderia arcar.”

Foi por esses problemas que, em 2018, Angelo se viu obrigado a vender sua primeira operação Megamatte, amargando uma enorme decepção.

“Chegou um momento em que compreendi que precisava assumir o prejuízo com meus sócios. Foi uma decisão extremamente difícil, mas necessária”, diz.

Atualmente, Angelo possui apenas uma operação da rede Megamatte mas está plenamente satisfeito com a força da marca e sua gestão.

“Tenho total convicção de que o melhor ainda está por vir e hoje enxergo o quanto de potencial o ser humano possui para vencer todos os obstáculos na vida. São oportunidades únicas, que devem ser encaradas com muito esforço, paciência e constância, respeitando sempre valores morais e éticos”, ele conclui.