Buscando Franquias? Encontre aqui sua franquia «
Escolha pelo menos um opção para sua busca

Opção de baixo custo

21/05/2013

Para realizar o sonho de se tornar patrão de si mesmo, não é preciso muito dinheiro. Com apenas R$ 4,7 mil é possível abrir uma microfranquia, um modelo de empreendimento que, além de barato, promete entregar o retorno sobre o capital investido em apenas um ano de funcionamento. Além disso, o risco costuma ser menor, já que se trata de uma operação testada e aprovada. Tantas vantagens fizeram desse tipo de comércio o novo queridinho dos brasileiros. Apenas em 2012, segundo dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF), esses negócios faturaram nada menos que R$ 103 bilhões, o equivalente a 2,3% do Produto Interno Bruto (PIB). “Nos Estados Unidos, onde as franquias movimentam muito mais recursos, esse mercado chega a R$ 3 trilhões, ou 10% do PIB daquele país”, sintetiza o diretor de microfranquias da ABF, Edson Ramuth.
Para se dar bem nesse mercado, no entanto, é preciso não só ter competência para gerir a operação como também dedicação ao empreendimento e tino para escolher o modelo certo de negócio. Ou seja, aquele que tenha um diferencial a mais. Nesse sentido, a primeira lição é estudar bem o mercado de interesse, mapear os concorrentes que já atuam no mesmo ramo e, principalmente, ter o máximo de informações disponíveis a respeito da empresa que deseja representar. “Quem quer investir em franquia precisa pesquisar muito. É importante ver o histórico do franqueador, se é idôneo e se tem prêmios. Isso dá mais garantia e segurança”, orienta Ramuth.
Ele explica que as microfranquias, além de exigirem capital menor que outros tipos de comércios, podem ser instaladas na própria casa do empreendedor. Há vários tipos, mas a maioria é da área de serviços, como clínicas de estética, de depilação a luz pulsada, de escolas de inglês ou de empresas de lavagem ecológica de carros. A dica, mais uma vez, é encontrar uma que esteja na área de interesse do empreendedor. “Procure uma franquia com a qual se identifique, pois terá de trabalhar muito para ver o resultado”, diz o diretor da ABF, que alerta: “Todo negócio exige muita dedicação para dar certo”.
Retorno
O próprio Ramuth é dono de duas redes de franquias existentes desde 1994. A primeira, uma academia para mulheres com exercícios de 29 minutos, a Emagrecentro Fitness, e a outra, uma clínica de estética, a Emagrecentro. Hoje, enquanto o primeiro negócio possui 30 unidades no país, o segundo acumula 200 pontos comerciais. Ele conta que o faturamento médio das lojas gira em tomo de R$ 30 mil por mês.
“Nesse caso, estamos falando de um negócio que exige investimento inicial de até R$ 50 mil, e, em alguns casos, o retorno pode ocorrer de dois meses a 12 meses”, diz. Atualmente, esse é o tipo de franquia que mais cresce no Brasil e vem atraindo bastante o interesse dos microempreendores. “Em 2012, o mercado mundial de microfranquias saltou 25%, enquanto o nacional cresceu 16,1%”, revela Ramuth. “Uma franquia normal custa de R$ 50 mil a R$ 3 milhões, dependendo do tipo do negócio e do ponto comercial, e o retorno do investimento ocorre, normalmente, entre 24 e 36 meses”, completa.
Pode-se dizer que o microempreendedor é o pilar da nova classe média?
Eu não diria que ele é o pilar. O protagonismo ainda é a carteira de trabalho. Mas ele ajudou a gerar emprego formal, permitindo que seus empregados tenham lucros mais próximos aos deles.
O microempreendedorismo cresce mais que a economia do país? Como é isso?
Ele está crescendo junto com a economia, mesmo durante a crise asiática e a desaceleração do PIB (Produto Interno Bruto), a taxa do lucro dos pequenos empreendedores está acima da observada na economia. Mas, na verdade, o mercado de trabalho brasileiro como um todo está crescendo bem mais que a economia. No ano passado, a renda per capita do trabalhador aumentou 5,1% contra 0,1% do PIB per capita. Ou seja, existe um paradoxo e ele também é vivido pelos empreendedores. Eles percebem um crescimento maior do que as contas nacionais sugerem.
Mas com os dados recentes de emprego em leve queda e de inflação em alta, não é preocupante ?
Eu acho que não. Esses dados vão até fevereiro de 2013 e o ganho de 5,1% é acima da inflação. A taxa de desemprego nunca esteve num nível tão baixo. Em termos de mercado de trabalho que, na verdade, é onde o futuro da nova classe média vai ser decidido, o Brasil continua forte, crescendo, apesar da desaceleração da economia vista pelas contas nacionais.
Países destacou uma diferença menor entre o lucro do empreendedor que tem mais estudo com o que tem menos ensino aqui do que lá fora. Como explicar isso ?
Esse é o retorno da educação. A gente sabe que quem tem mais educação ganha mais. Mas, na maioria dos países, a desigualdade tem aumentado. A renda de quem possui mais educação cresce mais do que a da pessoa com pouca renda e baixa educação. No caso do Brasil, é diferente. A renda que cresce mais é a de um empreendedor analfabeto. Em dez anos, ela cresceu 20 vezes mais do que a renda de um empreendedor de nível superior. Há um crescimento mais forte dos empreendedores com pouca educação, com pouca formação técnica, ou que não pertencem a cooperativas, ou empresas que acabaram de ser abertas, de menor porte. Todas as características associadas a baixo lucro, que reflete uma atividade de subsistência onde o empreendedor trabalha, mas não leva o suficiente para sustentar a família dele vem tendo o impacto negativo reduzido. O mercado empreendedor brasileiro tem se tornado mais inclusivo em relação a gênero, raça, escolaridade e acesso a políticas governamentais.
Mas a escolaridade média do brasileiro ainda continua sendo baixa.
A fotografia do mercado de trabalho e do empreendedorismo ainda é muito ruim, mas o filme dos últimos dez anos é muito interessante. É surpreendente. Temos menos empreendedores com melhores empregos. Eu diria que a síntese é: menos empresas e melhores negócios.
Correio Braziliense – Rosana Hessel – 12/05 

São muitas opções que oferecemos aqui no portal, então fizemos uma seleção de outros artigos que podem te ajudar também, veja:

  • Elaboramos uma seleção de 10 franquias com investimento inicial de até 25 mil reais, para você realizar o sonho de abrir o próprio negócio.
  • Você acha que com pouco dinheiro não dá para comprar uma franquia? Dá sim, tem opções de franquias baratas de verdade, estamos falando de um valor inicial menor que mil reais, opções por dois mil e outras por um pouco mais de 3 mil, venha ver.
  • Investir em franquias em quiosque é uma alternativa para quem quer abrir um negócio mas não pode investir muito em uma loja, por exemplo. Atualmente, elas estão em praticamente todos os shoppings do País
  • Você sabia que há opções de franquias baratas por 5 mil reais? Confira essa lista de microfranquias que cabem no seu bolso e são ótimos negócios com pouco investimento
  • Franquias de baixo custo: veja 44 boas opções para investir

 

NOTÍCIAS RELACIONADAS