Modelo de microfranquia tem espaço de atuação em segmentos bem variados

18/04/2017

O Popular/GO – Redação – 15/04 A Associação Brasileira de Franchising (ABF), com 42 associados em Goiás, fala de um crescimento de 8,3% no faturamento do setor em todo País, que teria atingido R$ 151,2 bilhões. O desempenho foi ainda melhor no setor de saúde, beleza e bem-estar, que mais cresceu em 2016. Aliás, junto […]

Modelo de microfranquia tem espaço de atuação em segmentos bem variados

O Popular/GO – Redação – 15/04

A Associação Brasileira de Franchising (ABF), com 42 associados em Goiás, fala de um crescimento de 8,3% no faturamento do setor em todo País, que teria atingido R$ 151,2 bilhões. O desempenho foi ainda melhor no setor de saúde, beleza e bem-estar, que mais cresceu em 2016. Aliás, junto com o setor de alimentação, essas empresas respondem por quase metade das unidades de franquias no País, segundo a ABF.

A diretora regional Centro-Oeste da ABF, Cláudia Vobeto, concorda que as franquias se tornaram uma grande oportunidade após o aumento do desemprego. Executivos que fizeram rescisões maiores investiram seu capital em algo mais seguro. “A pessoa é demitida, abre uma empresa, recupera seu emprego e ainda gera outros”, destaca.

Outro estímulo atual à abertura de novos negócios foi a liberação dos recursos das contas inativas do FGTS, que estão ajudando até na complementação do investimento. Cláudia lembra que há microfranquias com investimento a partir de R$ 80 mil. “Nesse momento, os franqueadores estão enxergando a necessidade de se reinventar, criando novos modelos de negócios, mais acessíveis ao mercado”, explica.

A Cacau Show , por exemplo, lançou em junho de 2016 quatro ramos de microfranquias: chocolateria, gelateria e distribuição (sala comercial e home office). Os valores começam a partir de R$ 24 mil para distribuição, R$ 35 mil para chocolateria e R$ 42 mil para gelateria.

O gerente de produção da Cacau Show, Arlan Roque, afirma que essa é uma estratégia da empresa para expandir os negócios em municípios de menor porte. “Outro motivo é que muitas pessoas passaram a nos procurar querendo empreender com um valor e não tínhamos um modelo para oferecer”, afirma.

De lá para cá estão em operação 16 microfranquias da Cacau Show e a expectativa é fechar o ano com mais 50. “É um mercado que tem se revelado bastante grande. E muitos querem empreender na crise. Outro fator são as mudanças na legislação trabalhista”, salienta Roque.

NOTÍCIAS RELACIONADAS