Sustentabilidade no varejo

09/05/2013

Eco 92 marco na conscientização da necessidade de conciliar desenvolvimento econômico e preservação ambiental. Veja aqui no Portal do Franchising

A 2ª Conferência Mundial para o Meio Ambiente e Desenvolvimento, a Eco 92, que ocorreu no Rio de Janeiro e representou um marco na conscientização sobre a necessidade de conciliar desenvolvimento econômico e preservação ambiental, concluiu que, para atingir o desenvolvimento sustentável e melhor qualidade de vida para suas populações, os países precisam reduzir e até eliminar padrões insustentáveis de produção e consumo.

Nesses 17 anos que nos separam da Conferência do Rio, formou-se sem dúvida uma nova consciência preservacionista. Hoje, a sustentabilidade ambiental, que era considerada discurso de ecologistas taxados como 'eco-chatos', passou a ser defendida por chefes de Estado, políticos, empresários, artistas e intelectuais.

E o mais interessante: quando se refere a este assunto, qualquer pessoa, física ou jurídica, independentemente do seu poder de influência, pode dar uma contribuição. Afinal, o colapso ambiental que nossos filhos correm o risco de enfrentar é fruto de modelos de produção e consumo pouco inteligentes. E se existe saída, ela depende da participação de todos.

Segundo a publicação I will if you will, da Environment Agency (principal órgão público ambiental da Grã-Bretanha), somente quando os três grupos do 'triângulo da mudança' – pessoas, negócios e governo – se unirem em favor da sustentabilidade é que será possível reverter a situação que vivemos hoje. As pessoas precisam estar predispostas a mudar seus paradigmas de consumo. É necessária uma reeducação.

Ao poder público cabe criar políticas que auxiliem a população nesse processo; que estimulem uma nova concepção do consumo ligado à cidadania. A instituição da coleta seletiva e reciclagem, para ficar só em um exemplo, seria um bom começo. As pessoas querem mudar, mas elas precisam presenciar mudanças à sua volta para sentirem que seus esforços serão compensados. É necessário que a exceção, o bom exemplo, vire a regra.

E as empresas? Para a própria longevidade dos negócios, elas precisam investir em gestão sustentável. Segmentos do comércio, o varejo e, mais recentemente, o franchising, já se deram conta disso. Esse setor, devido à forma coesa como opera, pode gerar mudanças rápidas para todos os envolvidos na cadeia de produção, distribuição e consumo.

Características marcantes desse modelo de negócio são a união e a comunicação. Ninguém tem medo ou vergonha de copiar uma idéia que deu certo.

Pelo contrário, a franquia é a mais perfeita cópia de um empreendimento de sucesso e, por isso, no varejo, o franchising é terreno mais que fértil para o desenvolvimento da sustentabilidade. Recentemente, a rede de alimentação Rei do Mate descobriu que o único item de sua operação prejudicial ao meio ambiente era o copo plástico. A rede então decidiu substituir os copos plásticos por copos de papel e de vidro. Assim, deixou de descartar 50 mil copos por dia no meio ambiente.

Para ser bem-sucedida na transição, a rede de franquias se valeu da comunicação. Ao anunciar o porquê da substituição do copo de plástico pelo de papel, lojas e o próprio consumidor, claro, rapidamente aderiram e apoiaram a mudança.

O varejo é o grande elo entre o fornecedor e o consumidor e tem enorme poder para gerar transformações. Como está em contato direto com o consumidor, tem amplas condições de contribuir na educação para novos hábitos de consumo. A sustentabilidade passa a estar presente na estratégia do negócio e todos saem ganhando.

Quer aprofundar-se neste assunto?
Participe do curso “Conhecimento Avançado de Franchising / Sustentabilidade”, para informações clique aqui!